Assista ao Vídeo Manifesto dos Indigos - Os Visionários do Caminho





Vídeo Institucional da Escola de Criatividade do Instituto
Mensageiros do Amanhecer






Uma aula numa Oficina da ESCOLA DE CRIATIVIDADE da Casa Índigo

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

AS NOVAS INTELIGÊNCIAS: Jornal Diário da Região de S.J. Rio Preto publica reportagem sobre o Instituto Mensageiros do Amanhecer em sua Revista Bem Estar de 02/02/2014





Matéria publicada na Revista Bem Estar – do Jornal Diário da Região de São José do Rio Preto em 02 de fevereiro de 2014.





Instituto recém instalado em Rio Preto trabalha pelo desenvolvimento do potencial de crianças índigo.




Você já ouviu falar em criança índigo? São superdotadas, altamente criativas, sensíveis, intuitivas, espiritualizadas, independentes, e muito inteligentes, mas um tipo de inteligência que foge totalmente aos padrões. Devido às suas características, essas crianças são discriminadas e sofrem por não serem compreendidas. Estudam e convivem em um universo que muitas vezes não as aceita, ou as considera violentas, rebeldes e as enquadra como crianças portadoras de Distúrbio de Déficit de Atenção(ADD) ou Distúrbio de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).


Segundo o presidente do Instituto Mensageiros do Amanhecer, de Rio Preto, Ibiatan Upadian, o grande problema tem sido o fato de essas crianças serem medicadas com Ritalina e outros remédios de tarja preta.


“Os educadores hoje em dia simplesmente desenvolveram o dom de diagnosticar as crianças como hiperativas. Eles não sabem como lidar e não conseguem prender a atenção da criança, com isso, orientam os pais a procurar um psiquiatra, e aí a criança vive à base de medicamentos fortíssimos que a mantêm fora de seu estado natural.”




Psicoenergia


“Nós não entendemos a ADD e o TDAH como doenças, mas como desequilíbrios psicoenergéticos gerados principalmente pela expectativa, tensão e ansiedade que estes seres trazem, consciente ou inconscientemente, desde o nascimento, e que são agravadas à medida que evoluem e percebem as crescentes dificuldades em desenvolverem suas altas habilidades e potencialidades num mundo totalmente adverso, em que a maioria das vezes nem com o apoio dos próprios pais podem contar”, diz Upadian.


O Instituto Mensageiros do Amanhecer, que ele preside, está instalado em Rio Preto desde o último 18 de janeiro. (*)


O instituto, segundo ele, tem como objetivo ajudar a crianças, os pais e os próprios educadores a reconhecer essas crianças índigos e tratá-las da maneira correta. “Enquanto a humanidade até hoje fazia uso apenas do hemisfério cerebral esquerdo, as crianças índigos têm a capacidade de lidar com ambos os lados de seu cérebro, de maneira equilibrada, harmônica, natural, sem conflitos, principalmente se recebem uma educação apropriada”, explica Upadian, que continua:


“O lado esquerdo do cérebro nos dá como característica o uso da inteligência racional e cartesiana, analítica e calculista, linear, seqüencial, passo a passo, com somente uma coisa de cada vez, indo do particular para o geral. Já essas crianças se utilizam das inteligências múltiplas, principalmente da inteligência emocional supra desenvolvida, raciocinando por meio de pensamentos laterais e conexões associativas e holísticas, tendo como base os sentimentos, a afetividade, a intuição, a imaginação, a criatividade e o sexto sentido. Sua inteligência rápida se manifesta na forma de flash e é multitarefa, conseguindo fazer muitas coisas ao mesmo tempo e indo normalmente do geral ao particular”, diz.


O instituto usa como referências para seu sistema pedagógico os métodos Montessori, Waldorf, Construtivista, Centros de Interesses (do Decroly) e Freinet. O objetivo é estimular o desenvolvimento de todo o seu potencial, habilidades, virtudes, valores, singularidades e livre - pensar e desta forma contribuir para a evolução da humanidade e a construção de uma sociedade mais igualitária e solidária.




Os muros do século 21


Antigamente, não se ouvia dizer que tal criança era hiperativa. Na verdade, o que gerou essa hiperatividade foi o aumento da violência no mundo.


Antes as crianças podiam gastar suas energias correndo na rua, subindo em árvores, jogando bola, empinando pipas, brincando de esconde-esconde, andando de bicicleta, entre outras atividades que consumiam suas energias, exercícios em contato com a natureza, os pés na terra, descarregando, portanto, essas tensões e ansiedades naturalmente. Hoje, as crianças crescem cercadas em muros de proteção devido à violência e, assim, não conseguem gastar a energia que têm, com isso, ganharam o nome de hiperativas.


“Elas permanecem presas em seus lares diante da TV, do computador, do vídeo game, sem gastar sua energia natural e ainda sobrecarregando seu sistema nervoso de energias eletrostáticas irradiadas por estes equipamentos eletrônicos, ou então são submetidas a uma estafante agenda diária de aulas de inglês, natação, balé, computação, etc., que lhes toma o dia todo e não lhes dá tempo de relaxar e se introspectar, e nem lhes dá oportunidade de terem um contato com a terra para descarregar as tensões do sistema nervoso. Contudo, é importante que se frise que nem toda criança hiperativa é índigo e nem toda criança índigo é hiperativa, diz Ibiatan Upadian, presidente do Instituto Mensageiros do Amanhecer.



Pensar no amanhã


Upadian questiona o que a sociedade faz da infância das crianças de hoje? Segundo ele, falta calor humano em todas as esferas e os jovens sentem-se sozinhos, abandonados, renegados e tratados como objetos ou simples número pela família, pela escola, pela sociedade e principalmente pelo Estado.

Então por que ter filhos? Por que colocar mais crianças no mundo?


“Apesar do esforço, da dedicação e do trabalho abnegado de muitos profissionais idealistas e verdadeiros heróis anônimos na área da educação, infelizmente a maioria de nossas escolas, através de métodos adotados pelo nosso sistema educacional, torna-se cada dia mais ineficiente em promover o crescimento do lado humano e espiritual do ser e acabam por gerar cada vez mais seres totalmente inseguros, sem iniciativas e sem identidade própria, submissos e alienados ou rebeldes e violentos, enquanto no lar os pais cada dia têm menos tempo e paciência de dar um mínimo de atenção para os filhos ou de ter um diálogo mais amigável e amistoso com eles, omitindo-se na maioria das vezes de dar a amorosa educação no lar por entenderem que educar é obrigação da escola”, diz.





Saiba mais:


O instituto

  • Sem fins lucrativos, o Instituto Mensageiros do Amanhecer, com seu corpo de profissionais que envolve pedagogos, médicos, psicólogos, sociólogos, terapeutas, disponibiliza as seguinte atividades:

  • Escola de Criatividade

  • Escola de Pais

  • Escola de Educadores

  • Clinica de Atendimento Terapêutico Holístico

  • Trabalho voltado para jovens de 07 a 17 anos

  • Para pais de crianças e jovens de qualquer idade, independente de serem alunos da instituição

  • Para educadores da instituição e de outras instituições, públicas e/ou privadas, promovendo a capacitação profissional destes educadores e preparando-os para educar estas crianças

  • O instituto tem como função estabelecer um acompanhamento psicossocial, médico e terapêutico para crianças e jovens índigos de qualquer idade, independente de serem alunos da instituição, que estejam cursando o Ensino Fundamental e Médio

  • Outro objetivo é conscientizar os pais de quem são estas crianças, de como educá-las no lar e na escola e da necessidade de acompanharem e participarem mais ativamente da formação das crianças na escola, trazendo-os a participar de cursos, palestras, atividade de terapia ocupacional, etc.


Serviço:

Instituto Mensageiros do Amanhecer
Rua Santos Dumont, 36, Vila Ercilía.
Informações: (17) 3121-6105 e 3012-9352
E-mail: instit.mensageiros.amanhecer@gmail.com
Expediente ao público: Segunda a sexta, das 9:00 às 12:00hs. e das 13:30 às 17:30hs. e no sábado, das 9:00 às 12:00hs. e das 13:00 às 15:00hs.


(*) O Instituto Mensageiros do Amanhecer foi fundado em 19 de janeiro de 2013 e a Casa Índigo, sede do projeto e da Escola de Criatividade foi inaugurada em 18 de janeiro de 2014.



Fonte: Matéria publicada na Revista Bem Estar (vide capa abaixo) do Jornal Diário da Região de São José do Rio Preto em 02 de fevereiro de 2014.




quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

"Escolas devem ensinar que é divertido aprender", afirma Salman Khan



 
'É divertido aprender matemática e física', afirma fundador da Khan Academy

 

O fundador da Khan Academy defende o ensino personalizado e o uso da tecnologia para transformar as salas de aula do mundo nos próximos 10 anos



por Guilherme Justino


Ele não tem formação em pedagogia, não dá lições presenciais em escolas e, em suas aulas, trata de temas complexos – chatos, até – que normalmente são o terror dos estudantes: geometria, aritmética, trigonometria. Números, números e mais números. A forma como Salman Khan apresenta esses problemas matemáticos (e de física, e outros tantos assuntos, especialmente na área de exatas), porém, é diferenciada. Inovadora. Capaz de atrair mais de 300 milhões de alunos em lições online que, de tão populares, hoje são traduzidas para diversos idiomas – inclusive o português. A contribuição do professor mais famoso da internet, no entanto, vai além das aulas. E muito além do ambiente virtual.


Fundador da Khan Academy, uma organização sem fins lucrativos que se dedica à elaboração de videoaulas divulgadas gratuitamente na internet, esse matemático americano defende uma revolução no ensino. Uma mudança em todo o sistema da educação. Proposta que passa, em primeiro lugar, pelo professor: pela forma de ensinar – mas envolve ainda a adequação de escolas às novas tecnologias, à mudança de hábitos dos alunos e à consequente necessidade de levar interatividade para a sala de aula. Assim, seria possível avançar ainda mais: com maior integração aos estudantes, teria início o ensino personalizado em cada instituição de ensino. E essa realidade, acredita ele, está próxima.




Aquela aula expositiva, com alunos sentados em carteiras e um quadro negro à frente, com um professor palestrando em pé ao longo de uma hora e pouco espaço para a solução de dúvidas, é criticada por Salman Khan. As lições monótonas, com estudantes em um papel passivo e sem individualidade, com mestres acostumados à mesma rotina em classe após classe, são também condenadas por ele – que ficou conhecido por lições virtuais rápidas, mas profundas, e uma atraente informalidade na maneira de abordar temas de difícil assimilação. Quando têm dificuldade em aprender um certo tema, são essas aulas que os estudantes procuram. Por que não garantir isso a eles dentro da escola?


"É precisar ocorrer uma mudança de mentalidade. Todos nós, quando fomos à escola – incluindo a maior parte dos professores –, sentamos na classe, havia uma carteira, um quadro-negro, e o professor dava uma palestra. Então ficou programado nas nossas mentes que é este o papel do professor: chegar todo dia, fornecer algumas informações, talvez dar nota a alguns trabalhos, e no outro dia fornecer mais algumas informações, talvez dar nota a alguns trabalhos... e assim continuar", analisa Khan em entrevista ao Terra. "É uma mudança de mentalidade sair disso para o que, acreditamos, é uma habilidade de mais valor: diagnosticar onde cada estudante está, intervir, levá-los a projetos mais ricos, a discussões mais ricas, e utilizar ferramentas como a Khan Academy para facilitar isso."



Aulas online: 'é divertido aprender'
 
Mesmo fora da sala de aula, Sal – como o professor costuma ser chamado – descobriu que muitos estudantes buscam aprender mais, se aprofundar no conteúdo apresentado no colégio ou apenas revisar o que não entenderam durantes as aulas. Dezenas de milhões pessoas buscam o conhecimento divulgado por ele, e não por imposição dos pais ou da escola. Estão ávidos por aprender, por ir além do que lhes foi apresentado na classe, por revisar matérias em que têm dificuldade – conteúdos que às vezes nem fazem parte do currículo escolar. O que os atrai? São as abordagem simples sobre assuntos complexos, as lições rápidas, a paciência com que explica cada aspecto de determinada matéria?


"É engraçado porque investimos muito em software, em mecânica de jogos e tudo o mais, mas se formos realmente à base de tudo, ao que deixa as pessoas animadas, ao porquê de se conectarem à Khan Academy, percebemos que ela faz os alunos sentirem que esses conceitos que antes pareciam difíceis, que os faziam parecer estúpidos, são, na verdade, acessíveis. Eles veem que são capazes de aprender, e que isso é até divertido. Penso que todo ser humano, quando começa a sentir que consegue entender alguma coisa, que é capaz de dominar um assunto, começa a aproveitar aquilo. Acho que isso se aplica a matemática, a física ou a qualquer outra coisa", avaliou Salman.



Khan Academy e a tecnologia nas escolas
 
O professor mais conhecido do mundo fala animado sobre o desafio de ensinar. Algo que, para ele, passou de um hobby para um projeto de vida. É com a mesma informalidade e abordagem simples daqueles primeiros vídeos que fez para ajudar os primos a tirarem melhores notas que ele explica álgebra, probabilidade e termodinâmica para uma infinidade de alunos. Não é exagero dizer que a academia de Sal ajudou a redefinir o papel da tecnologia na educação – mostrando como ensinamentos feitos com o auxílio de recursos digitais conseguem atrair mais estudantes e manter a atenção deles mesmo com temas de difícil assimilação.











Qualidade do ensino não é refletida em tempo de aula, diz Salman Khan


"O acesso à tecnologia ainda é um ponto de interrogação para muitas escolas e muitas famílias. Creio que tem sido um ponto de interrogação porque as pessoas sempre disseram: 'por que temos que fazer isso? O que as crianças vão obter se você der a elas um computador, um tablet para estudar? Espero que nós tenhamos conseguido responder a essa pergunta: 'bem, aqui está o recurso para estudantes aprenderem no próprio ritmo, fornecer dados aos professores para entenderem em que ponto os alunos estão e, depois disso, levar os estudantes ainda além do que o software consegue ir."



* * * * * * * *

Mais de 600 vídeos da Khan Academy ganham tradução para o português


A Fundação Lemman está traduzindo mais 600 vídeos de matemática de ensino fundamental da Khan Academy – plataforma criada por Salman Khan que oferece mais de 3 mil videoaulas gratuitas – que serão publicados até novembro deste ano, com uma média de 20 a 30 vídeos por semana. Essa parceria foi firmada no começo do ano, com o objetivo de traduzir um total de 1 mil vídeos e adaptar o currículo para a realidade nacional.






Para deixar as aulas um pouco mais divertidas, o locutor é Wendell Bezerra, famoso por dublar o Goku, personagem principal do desenho japonês Dragon Ball Z, Bob Esponja e o vampiro Edward, da Saga Crepúsculo. Outra alteração da tradução é a adequação de unidades de medida, da moeda e dos símbolos, principalmente o lugar da vírgula e do ponto, que são invertidos na lógica brasileira em relação aos Estados Unidos.


Os vídeos que já foram traduzidos estão disponíveis no site da Fundação Lemman.



* * * * * * * *





ONG leva kit com Wi-Fi e plataforma de ensino a lugares pobres

 

Instituição foi criada a partir de experiência em orfanato mongol



Zaya, uma menina órfã de 15 anos, teve a oportunidade de aprender matemática através das aulas da Khan Academy em 2011, em Ulan Bator, na Mongólia. Empolgada com o aprendizado – ao qual ela provavelmente nunca teria tido acesso se o engenheiro Neil DSouza não tivesse levado ao seu orfanato os vídeos de Salman Khan –, ela não parou por aí. A jovem começou a criar suas próprias lições, traduziu 250 vídeos de Khan para o mongol e ajudou outras crianças a aprender a disciplina.


Sua atitude acabou sendo também inspiradora e motivadora para que DSouza não abandonasse seu projeto, incipiente e então batizado de Teach a Class, de levar educação de alta qualidade a crianças de 6 a 13 anos em qualquer lugar do mundo através da tecnologia. “Zaya fez eu entender que o que eu me propunha a fazer era possível e por isso eu dei o nome dela, que também significa destino em mongol, à minha organização”, disse o engenheiro que largou um emprego na Cisco nos Estados Unidos para trabalhar pela educação.


"Muitas escolas (em zonas rurais e pobres) tinham computadores, mas eles não eram utilizados, seja por falta de acesso à internet ou despreparo dos professores."



No primeiro ano, ele se dedicou a proporcionar conectividade e conteúdos de recursos educacionais abertos (REA), como as aulas de Salman Kahn e do Discovery Education, a escolas em zonas rurais e pobres da Indonésia e da Mongólia. Queria resolver um problema que percebeu ao viajar pelo mundo: muitas escolas tinham computadores, mas eles não eram utilizados, seja por falta de acesso à internet ou despreparo dos professores.


Para levar boas aulas aos alunos, o primeiro produto da ONG Zaya foi uma caixa que cria uma micronuvem capaz de armazenar dados (as aulas) e dar acesso Wi-Fi a essa nuvem (por meio de um roteador) a computadores e aparelhos móveis. A solução ainda tem uma bateria que dura 10 horas, o que permite que funcione em lugares onde não há energia elétrica.


"Conteúdo é uma coisa e contexto é outra. As crianças podem olhar o conteúdo sem entender a lição. Muitos acham que basta traduzir aulas para uma língua diferente, mas nem sempre funciona." (Neil DSouza, engenheiro e fundador da ONG)
 


Da experiência em 20 instituições nos dois países – das quais uma era o Lotus Children Center, orfanato de Zaya –, DSouza percebeu que não bastava apenas oferecer conteúdos livres prontos para garantir o aprendizado, mas era preciso adaptá-los e criar um modelo pedagógico eficiente para transmiti-los. “Conteúdo é uma coisa e contexto é outra. As crianças podem olhar o conteúdo sem entender a lição. Muitos acham que basta traduzir aulas para uma língua diferente, mas nem sempre funciona”, diz DSouza. “É preciso proporcionar a experiência correta aos usuários, que no nosso caso são as crianças”, explica.


No segundo ano de trabalho (2012), a equipe da Zaya passou a desenvolver uma plataforma pedagógica para colocar dentro da micronuvem com o objetivo de melhorar a forma como as informações são passadas e, consequentemente, percebidas pelos alunos. A ferramenta agora tem modelos prontos de vídeos, avaliações, exercícios, que propõe um tipo de aprendizado baseado em habilidades e podem ser adaptados a vários tipos de conteúdo. Além disso, a solução gera dados sobre como as crianças estão aprendendo, que também ajudam os professores.


Na Índia, onde a equipe da Zaya está trabalhando em 2013, produtores locais foram chamados para formular boa parte das aulas, de acordo com o currículo e a realidade do país. “Os templates estão prontos. Se formos ao Brasil, já temos esses modelos e é só fazer o conteúdo para colocar neles. Agora, já conseguimos dizer aos produtores de aulas como fazer isso para preencher o gap educacional”, diz DSouza, que pretende visitar o País no ano que vem, quando vai conversar com ONGs sobre seu projeto.



Laboratórios de aprendizagem
 
A partir de uma parceria com a ONG Teach for India, a ferramenta começou a ser utilizada este ano em 10 escolas nas aulas de inglês e matemática, mas é no aprendizado fora da sala de aula regular que se concentram os mais recentes esforços da Zaya. Neste ano, a solução completa da ONG ganhou um novo elemento. Além da conectividade e da plataforma pedagógica, Zaya criou novos tipos de laboratórios de aprendizagem, que pretende espalhar pelo mundo, sempre com o mesmo objetivo de proporcionar ensino de qualidade a quem ainda não tem acesso a esse direito básico.


"Se formos ao Brasil, já temos esses modelos e é só fazer o conteúdo para colocar neles." (Neil DSouza)
 


Segundo DSouza, quase 80% dos estudantes indianos frequentam aulas de reforço depois da escola. Mesmo as famílias pobres pagam de US$ 5 a US$ 10 por mês por tutorias diárias para seus filhos, porque não confiam no sistema de ensino do país.


“Não é fácil implementar um projeto como o nosso dentro da escola. Como a nossa meta é impactar as crianças e como elas já passam duas horas a mais estudando depois da aula, decidimos que não deveríamos atuar apenas no sistema de ensino tradicional”, conta.


Os primeiros cinco laboratórios inaugurados pela Zaya em Mumbai são confortáveis e têm um design moderno, onde as crianças podem entrar, pegar um tablet e começar a estudar. Elas aprendem a mesma coisa que na escola, mas de uma maneira mais efetiva, usando a plataforma, com ajuda de professores facilitadores. “São como lojas da Apple da educação”, compara o fundador da ONG. Até o fim do ano, a expectativa é ter 20 desses laboratórios na Índia.


"São como se fosse lojas da educação da Apple." (Neil DSouza sobre os laboratórios da ONG)



Por enquanto, alguns deles são gratuitos, porque foram implantados em parcerias com outras ONGs, e outros cobram a mesma taxa que os indianos já estão acostumados a pagar por aulas extras, modelo que o indiano imagina usar daqui para frente para aumentar a rede. A ideia ambiciosa de DSouza é que esses laboratórios sejam replicados a partir de uma prática de franchising, no qual a Zaya fornece um kit composto por 20 ou 25 tablets, a caixa com o roteador e a ferramenta pedagógica, um projetor e fones de ouvido para serem gerenciados por pessoas engajadas em educação. “Pode ser instalado até em casa. Estamos criando uma rede de laboratórios para as crianças frequentarem depois da escola”, diz.


Esses laboratórios também fazem parte também da estratégia para tornar a marca Zaya conhecida e sustentável. Como o custo de instalação é pequeno e o que as pessoas pagam para usar os laboratórios não é muito, DSouza imagina que essa é uma forma eficiente de expandir o aprendizado pelo mundo. “Não esperamos fazer dinheiro disso, mas não queremos que as pessoas deixem de usar nossos programas por falta de fundos. Queremos que seja sustentável”, diz DSouza.


Por enquanto, a Zaya se mantém com doações e valores recebidos em prêmios.



* * * * * * * *

Veja quanto ganha um professor no Brasil


O Ministério da Educação (MEC) confirmou o novo valor do piso salarial dos professores, em janeiro: R$ 1.567,00. Este é o valor mínimo que prefeituras e Estados devem pagar aos professores com jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Veja quanto ganha um professor no Brasil

 

 

 

Fonte: http://noticias.terra.com.br/educacao/